segunda-feira, 25 de novembro de 2013

American Music Awards 2013!

Ontem rolou o American Music Awards 2013 e, é claro, eu fiquei de olho para fazer os comentários do red carpet por aqui hoje. O que posso dizer de antemão é que achei que teve menos bizarrice nos looks dessa vez, especialmente a julgar pelo fato de ser um dos maiores prêmios da música americana, quando o pessoal se solta mais na hora de escolher os modelitos. Até que a maioria da mulherada estava bem comedida, olhem só:

Preciso começar com a sempre divina Taylor Swift, que não erra, não adianta. Seja longo ou curto, ela está sempre DIVA demais. Alta, magra e linda, dessa vez a vencedora de quatro prêmios optou por um vestido Julien Macdonald curto dourado, make super suave e cabelos levemente bagunçados, mostrando que fica um luxo de qualquer maneira. Ela sabe como ninguém aparecer em um tapete vermelho, isso é fato!




Outra que arrasou foi Kendall Jenner, que escolheu um vestido branco Keepsake assimétrico e cheio de recortes. O vestido em si não seria tudo isso, não fosse o colar Dylanlex Falkor, que ficou parecendo parte integrada do modelito. É pra ver como os acessórios fazem mesmo toda a diferença!


Já a irmã de Kendall, Kylie Jenner, foi mais esportiva, combinando um cropped top Maiyet com calça de veludo Giambattista Valli e ankle boots Barbara Bui.


Também de branco, Miley Cyrus estava gente como a gente dessa vez, parecendo até um pouco mais normal. A moça apareceu usando terninho Versus Versace bem comportado, combinado com saltos Saint Laurent pretos.


Outra que optou por calça branca, porém com uma túnica assimétrica para complementar o look, foi Zendaya, que fechou a produção Donna Karan investindo pesado no pulseirismo.



Já de vestido, ainda no time de branco, Nicole Richie surgiu com um Emilio Pucci com recortes laterais que, embora comum, estava bem bonito visto de frente. Porém, de costas, o modelo tinha um corte profundo demais, absolutamente desnecessário, beirando o vulgar. Dá pra classificar como: "como estragar um look em uma virada do corpo".



Christina Aguilera também apareceu decotada e recortada, em um Maria Lucia Hohan. Não sei por que todo o oba oba em cima dela, porque eu não gostei, não. Faltou praticamente meio metro de tecido na barra, gente... É proposital pra mostrar o Louboutin? Mas tá, tá magra, deu a volta por cima, beleza.


Já entre as garotas de preto, Ke$ha foi a surpresa da noite, ao menos pra mim. Cadê a cara suja? Aquele jeitão de quem não toma banho há uma semana? A cantora estava linda com os cabelos soltos bem arrumadinhos, make suave e um vestido Michael Costello que favoreceu seu corpo, pela primeira vez na vida. Acertou, Ke$ha, continue assim!


 Katy Perry, que adora brincar com os vestidos que usa em cada ocasião, escolheu um Oscar de la Renta preto rodado com poás brancos e aplicações de flores vermelhas. Confesso que adorei, achei o vestido uma graça e super combinou com ela. Só que, apesar de eu achar o máximo a ideia da bolsa-livro (wish list há tempos), penso que não ornou. Mas tudo bem, porque de resto estava linda! Poucos acessórios, já que o vestido já é bem chamativo e make combinando muito bem!




Jordin Sparks usou um Jovani Couture com top de couro e spikes dourados e saia bem solta com fenda. Complementou o estilo mais rocker com as pulseiras pretas e a sandália pesada da Schutz.


Heidi Klum arroz de festa apostou na transparência, aplicações e franjas de Marchesa. Vejam bem, sou louca por franjas, quem me conhece sabe, mas não consegui gostar. Falta alguma coisa ou o resultado final não casou bem... Honestamente não sei, só sei que não curti. Mesmo assim, do alto dos seus 40 anos, continua mas bonita do que muita menina de 20 por aí.


Também investindo na transparência (muuuuita transparência, por sinal), Ciara foi de J. Mendel bem perigoso. Uma mexidinha errada e já era, né?


Maia Mitchell estava simples, casual, mas elegante, com vestido de veludo Armani de mangas longas. Gosto muito do balanço equilibrado que tem um vestido curto com mangas longas e sem decote. Pra completar, as costas eram lindas. Só trocaria o sapato por algo que alongasse mais as pernas e apostaria em uma bolsa mais poderosa. Mas o vestidinho achei uma graça (e o bocão vinho também).



Ao contrário de Maia Mitchell, mostrando tudo e mais um pouco estava Rihanna, usando Jean Paul Gaultier bordado e super transparente. Acho que o botão "sexy sem ser vulgar" não foi acionado, mas ela segurou bem o modelito. Só, por favor, não tentem reproduzir isso em casa, dificilmente você, mera mortal, vai conseguir o mesmo feito. Outra coisa: esse cabelinho com gel e grampos aparecendo é uó.



Naya Rivera foi de fantasia de Mortícia Adams safadinha. Sem mais. A quem interessar possa, o modelito é Michael Kors. Já a cara de "tentando ser sexy no tapete vermelho" é by Naya Rivera mesmo.


Alicia Silverstone, a eterna patricinha de Beverly Hills, deve dormir no formol, porque o rosto continua igualzinho, gente. Em compensação, o senso fashion sumiu um pouco, porque esse saco reco fazendo as vezes de vestido não favoreceu muito (é Nicole Miller).


E pra finalizar o time das garotas de preto, Jaimie Alexander apareceu linda em um conjunto Armani impecável, com bordado divino no busto. Adorei!



Jennifer Lopez, que trocou várias vezes de roupa no palco, no tapete vermelho usou seu estilista favorito, Zuhair Murad, em um modelo que só quem tem o corpo dela sustenta mesmo. Super bordado, super justo, super Jennifer Lopez.


Também investindo pesado no brilho, Ariana Grande escolheu um Dolce & Gabbana vermelho de paetês para a noite. Eu sou perua e gosto de brilho, não é segredo pra ninguém.


Outra que chegou de paetês ao evento foi Kelly Osbourne, que não foi favorecida pelo comprimento midi do vestido. Isso, somado ao cabelo com spikes (que com outra roupa teria ficado legal, mas aí não ornou), os pumps nudes e... Bom, tudo: ficou uma droga hein! Até ela comentou nas redes sociais que não gostou, tadinha!



Emma Roberts deve ter pensado assim: "Sou linda demais e vou ofuscar todo mundo no American Music Awards... Então vou usar uma roupinha bem feia que é pra dar espaço para as outras mulheres, né?". Ela foi querida. Só pode ser. Porque só isso explica esse saco metálico Lanvin que a atriz escolheu usar. Tão linda, gente, pra que isso?


Também metálica, Giuliana Rancic escolheu um modelo Three Floor que ficaria bonito se não tivesse essa cara de que ficou sobrando no quadril!


Zoe Saldana está sempre bem vestida, mas dessa vez o escolhido Roland Mouret não me causou boa impressão. Apesar de tudo, elegante, claro.


Sarah Silverman, tem um pouco de tecido amarelo aí onde estão pulando seus peitos. Que deselegância!


Jennifer Hudson foi de Dior laranja e rosa com make azul. Assim, tudo junto e misturado.



E pra finalizar, Lady Gaga, que chegou causando, como sempre, mas dessa vez não com um modelito feito de carne, bolhas ou outra coisa louca. Ela causou porque mostrou que, quando quer, é uma moça muito da bonita, viu? Os dois vestidos são Versace (e esse segundo, com brilho de cima abaixo é uma graça).




Fotos: Because I am fabulous

Resumindo: Lady Gaga pode ser uma mulher normal. Taylor Swift arrasa de qualquer jeito. E a make nude e suave voltou a prevalecer no red carpet.
E aí, gostaram dos modelitos escolhidos pelas celebs?
Bises, bises!

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Linda de sexta!

Quase perco a deixa da sexta, gente, que que é isso! A linda de hoje mora atualmente em Porto Alegre, mas é uma pessoa super viajada. Com 19 anos, a gaúcha morou por muitos anos em Foz do Iguaçu. Além disso, já morou no Paraguai e, em 2011, fez intercâmbio no Canadá. Intercâmbio esse que mudou muita coisa na vida dela, já que até esse período da sua vida ela queria ser veterinária, mas as aulas de costura feitas no Canadá fizeram com que ela se apaixonasse pelo meio. Voltando para o Brasil, foi moda que ela resolveu fazer de fato. Inclusive tem um blog super lindinho, o Alma Camponesa.
Pedi pra ela contar um pouquinho sobre si para a gente: "Sempre fui uma pessoa tímida, daquelas que tinham vergonha de pedir informação. Tive que perder tudo isso quando fiz o intercâmbio. Ou era ser tímida ou era ter amigos. Virei cara de pau."
Magérrima, ela disse, apesar de gostar de comer salada, nunca fez dieta na vida (ô inveja!). Ela tem rosto marcante, um estilo lindo e super inspirador, é muito querida e muito gata, e hoje veio trazer um pouco dessa beleza aqui para o blog!

Nome: Carolina Azeredo
Lá de: Porto Alegre











Lindíssima, sim ou com certeza?
Obrigada pela participação, Carol, muito legal ter você por aqui!
Bises, bises!

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Receita da semana: Filé mignon ao molho de amoras e aligot!

Hoje é dia de receitinha no capricho por aqui, porque né, final de semana sempre sobra um tempinho extra para cozinhar e o resultado são pratos mais elaborados e saborosos. A ideia da receita de hoje eu tirei do Gastronomismo, uma delícia de site com vídeos de culinária cultural. Porém, lá a receita é feita com mirtilos; como aqui na nossa região eles são praticamente impossíveis de encontrar, adaptei e fiz com amoras. É um prato fácil, simples de fazer, mas extremamente chique para servir com um vinho e incrivelmente delicioso. Confesso que fiquei insegura a princípio, por não ser muito chegada no agridoce, mas o sabor é fantástico e super refinado.
Uma coisa que comentei com minha mãe - que foi quem provou a receita - é que é o legítimo prato para servir uma porção só - estilo "sou phyna" - porque o sabor intenso é maravilhoso, mas enjoa. #ficadica


Para o filé mignon ao molho de amoras, você vai precisar de:
500g de filé mignon
250ml de vinho tinto seco
1 cebola pequena
1 ramo de tomilho
1 ramo de alecrim
3/4 de xícara de açúcar
300g de amoras
50g de manteiga sem sal
Sal e pimenta preta à gosto
1 fio de azeite de oliva

Comece levando ao fogão o vinho com a cebola bem picadinha, o tomilho e o alecrim, por cerca de três minutos. Essas ervas servirão para aromatizar o molho e retirar o álcool, já que a base da receita é toda de vinho mesmo. Depois desses três minutos, retire as ervas e adicione o açúcar, as amoras e um pouco de sal e deixe cozinhar. Essa é a parte da receita que demora um pouco. Você precisa ficar de olho no chamado "ponto pérola" do molho; quando você subir a colher e o molho estiver espesso e ficar uma gotinha suspensa, sem cair, é o "ponto pérola" e está pronto. Se estiver demorando demais e continuar muito líquido, acrescente um pouco mais de açúcar. Esse é um ponto de confeitaria, então o açúcar é a chave aqui. Depois disso, acrescente a manteiga, mexa até dissolver e desligue. O sal fica a seu critério, vai depender muito do paladar de quem está cozinhando mesmo.
Nós fomos catar amorinhas no pé, então precisei retirar os talinhos de cada uma delas. Quem comprar no mercado tem um trabalho a menos (mas também uma diversão a menos). Se for a amora maior, é bom dar uma picadinha.
Um detalhe bem importante: não use para cozinhar um vinho que você não beberia! Sério, não estrague uma receita saborosíssima com um vinho de dois reais. E é óbvio que não falo pelo preço, mas pela qualidade mesmo!

Para o filé, é interessante cortá-lo em pedaços grossos e arredondados, para ficar mais saboroso e também mais bonito na hora de servir. Tempere com sal e um pouquinho de pimenta preta e coloque em um frigideira beeem quente, com um fiozinho de azeite (sempre uso azeite de oliva). Se os pedaços de filé forem grossos como o sugerido, deixe por três minutos, depois vire e deixe mais três minutos do outro lado. É o tempo exato para que o filé fique macio e mal passado, que é como a gente gosta aqui em casa.
Para servir, coloque um pedaço de filé no centro do prato e disponha o molho por cima. Pode caprichar nas colheradas de molho, para que ele banhe bem o filé!


Eu servi com aligot de acompanhamento, que é um purê de batatas muuuito especial, com uma grande quantidade de queijo gruyère e creme de leite fresco. Apesar de ser bem mais sofisticado que o purê normal, também é simples de fazer, olhem só:

Para o ALIGOT, você vai precisar de:
3 batatas asterix grandes (aquela da casca rosa)
300g de queijo gruyère ralado
200g de creme de leite fresco ou nata (usei a nata) - não vale o creme de leite de caixinha!
1 dente de alho
Sal à gosto

Cozinhe as batatas até que elas comecem a lascar. Descasque e amasse-as bem até que já estejam lisinhas. Rale o dente de alho junto com as batatas e acrescente a nata e o sal, levando a mistura ao fogo baixo e misturando bem, mexendo o tempo todo. Aos poucos, adicione o queijo (ralado previamente), mexendo sempre. O ponto certo do aligot é quando o purê fica bem pegajoso, por conta do queijo. Pronto!
O aligot é a parte mais demorada desse prato, porque todo mundo sabe que batatas precisam de muito tempo cozinhando para ficarem em ponto de purê. Mas vale à pena, é uma delícia... De fato, para quem gosta de queijo como eu, o aligot é tão gostoso que dá para comer puro!



Gente, é impressionante como essa comida é saborosa! Já tem gente pedindo repeteco aqui em casa e não é à toa não, é surpreendente ver o que um pedaço de filé, um vinho e algumas amoras podem fazer. Perfeito mesmo! 
Aliás, minha mãe, que é sempre minha cobaia para esses testes, gostou tanto que, entre uma revirada e outra dos olhos, parou de comer para fotografar e logo mandar a foto (essa última) para o facebook, me parabenizando e dizendo que eu sou uma verdadeira chef! Haha, o orgulho que dá ao ouvir isso é coisa de outro mundo, ainda mais para quem ama cozinhar como eu!
Então fica mais uma dica de prato muito sofisticado para servir a dois ou a um grupo de pessoas, tanto faz! Quem fizer em casa me conta o resultado, tá?
Bises, bises!