sábado, 24 de dezembro de 2011

Somewhere over the rainbow!

É natal mas o blog não para, não. Fiz umas fotos depois do trabalho hoje pra mostrar pra vocês um look simples e diário, mas que mescla várias coisas sem ficar exagerado. Apostei na camisa totalmente colorida em tecido beeem fresquinho pra iluminar um pouco e deixar o dia mais alegre. Contrapondo a leveza da camisa, o shortinho de couro e o cinto bem pesado, junto com uma sandália mais pesada ainda. Ou seja, temos um mix de delicadeza com pegada rocker, que é o que eu mais adoro; nada de ficar em um estilo só!
O mais legal é que essa camisa de seda, que está super usada ultimamente, não é nova no armário. Lembram do post "Das antigas", onde eu contei da calça que revivi do closet da minha tia? Pois é, essa camisa também vem de lá e tem a mesma idade da calça, hahaha! É pra mostrar que não esqueço o título do blog e que vira e mexe faço jus a ele!
Outra coisa bacana é que a camisa por si só já faz um color blocking bem lindo, sem exagerar nas cores ou exigir que a gente fique pensando em combinações coloridas!









Camisa: Cahelon / Shorts: Hit / Sandália: Lilly's Closet / Óculos: Victor Hugo

Divertido, fresquinho e fácil de usar em várias ocasiões!
Feliz natal pra todo mundo que curte a data! 
Um beijo!

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Wrap dress!

Dou uma bala pra uma mulher que não tenha - ou pelo menos não tenha usado alguma vez em sua vida - um wrap dress no armário. O clássico fez história desde os anos 70, quando foi criado por Diane von Furstenberg, que procurava trazer feminilidade para a mulher em uma época em que a igualdade de sexos estava presente também nas roupas. Então palmas para Diane por criar um dos grandes ícones de todos os tempos: o famoso vestido envelope.
Esse estilo de vestido junta a saia e a parte de cima com um laço ou então com outra espécie de transpassado. O importante é que ele é super atemporal, fica bem em todas as idades e o melhor: afina a silhueta! Sim, gente, quem está acima do peso não só pode como deve investir nesses modelinhos; eles causam um efeito emagrecedor excelente, porque enfatizam outras áreas do corpo - como os seios, principalmente - e se ajustam à dona.
É simples, fácil de usar e de combinar e super democrático. Hoje em dia você encontra em qualquer boutique ou mesmo redes de lojas maiores por precinhos super camaradas. Diane von Furstenberg fez seu nome com o wrap dress e com razão! 



























Do look diário aos vestidos de festa, ele fica bem em qualquer ocasião. Ótima pedida sempre.
Você já tem o seu? É obrigatório ao menos em um cabide, hein? Dos clássicos como esse a gente não pode abrir mão nunca!
Um beijo!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

White and shiny weekend!

Sabe aquele final de semana ensolarado que dá vontade de abrir um sorriso colgate e sair dançando músicas bregas e animadas? Não precisa esquecer o estilo em casa pra isso! 
Todo mundo sabe que eu sou fã dos acessórios e acho que eles fazem toda a diferença em um look. Como diria Diane von Furstenberg: "os acessórios estão para os looks como a pontuação para as frases". O chapéu é um belo exemplo disso, pouco usado pelas pessoas. Eu adoro a perspectiva diferente que ele traz, o estilo cheio de bossa que causa. Sábado combinei um floppy hat - que é um chapéu de aba larga e bem irregular - com um vestido fresquinho de crochê leve com recortes vazados. O chapéu, o cinto de couro tressê  e a bolsa de franjas deram aquele toque boho que eu amo ao look. Pra quebrar um pouco da delicadeza, optei por uma super dombasle nos pés, que é mais rústica do que uma sandália normal, apesar de ter esse detalhe de lacinho.
O resultado final disso tudo foi uma composição bem fresh e perfeita pra aproveitar um sabadão quente de verão. Sem contar que o branco está com tudo, e aí já vai uma boa dica: branco com detalhes em caramelo, tons terrosos e madeira fica super lindo!











Vestido: Chocoleite / Sandália: Werner / Chapéu: H&M / Bolsa: Fellipe Krein /
Óculos: Victor Hugo


E aí, curtiram o look meio hippie, meio moderno?
Fácil de se inspirar, né?
Um beijo!

sábado, 17 de dezembro de 2011

Bandage dress!

Me pediram pra fazer um post sobre bandage dress e como eu tento sempre ser uma pessoa democrática, cá estou pra falar sobre o assunto. Particularmente não gosto muito não, acho que é um vestido que traz muitas restrições no uso e pra ficar bonito na medida certa, sem parecer vulgar demais é bem difícil, já que ele é geralmente curto e ultra justo.
Pra começar você tem que estar com tudo - TUDO mesmo - em cima pra usar um vestido bandage porque ele marca até o útero, mais ou menos. Passe algumas horas em frente ao espelho com usando um pra ver se convence. Em segundo lugar, é preciso ter a noção exata de que acessórios usar pra não ficar com uma imagem muito apelativa. A melhor opção se você quiser usar um vestido desses é maneirar no resto. Acessórios mais cleans (poucos, de preferência), maquiagem leve e toques clássicos pra contrabalancear o peso sexy do vestido. Outra dica é optar por um comprimento na altura do joelho. Curto demais fica super dangerous!
O bandage dress recebeu esse nome justamente pela maneira como são confeccionados, em tiras bem justas no corpo. Quem iniciou o sucesso do modelitcho foi a marca Hervé Leger, que ainda é a preferida no quesito entre as celebridades e fashionistas e nunca abdica de sua marca registrada nos desfiles.




Katy Perry

Kim Kardashian
Amanda Bynes. Sapato de franjas com bandage dress: NOOOOT!

Linday Lohan, Victoria Beckham e Beyonce

Desfile Hervé Leger


Blake Lively, com pouquíssimos acessórios! Inspirem-se!
 
Demi Lovato



Kristen Stewart

Lily Collins

Jennifer Love Hewitt

Miley Cyrus

Hilary Duff

Misha Barton

Sophia Bush mostrando que o comprimento na altura do joelho ajuda na elegância do modelo!

Sophia Bush

Rachel Bilson, Sophia Bush, Giselitcha, etc.

Carrie Underwood


Miranda Kerr
A questão é: o bandage dress traz muito peso sensual carregado nele, tem que saber sustentar. Mas tem como ser sensual sem vulgaridade, sim. É só pensar bem no resto pra não perder a elegância nunca! Um beijo!